sexta-feira, janeiro 27, 2006

O Amado dos Deuses

E eis que por breves instantes, surjo das trevas da hibernação estudiosa, apenas para lembrar que há um quarto de milénio nascia em Salzburg Johannes Chrysostomus Wolfgangus Theophilus Mozart ou, como ficou para a eternidade, Wolfgang Amadeus Mozart.
Um ser humano que nos legou horas de luminosidade e sorrisos, primeiro como criança-adulto e depois como adulto-criança.
Não vou falar muito sobre o milagre do seu génio, pois não tenho competência para tal.
Deixo-vos apenas com duas frases favoritas que o farão muito melhor de que eu, lembrando a velha máxima que diz que Mozart veio ao mundo para provar que Deus existe. Não posso dizer que discordo :)

«Mozart conduz-nos até às profundezas do reino dos espíritos. O medo envolve-nos, mas não nos atormenta, pois é uma premonição do infinito.»
E.T.A. Hoffmann

«Eu não tenho a certeza de que os anjos, quando glorificam Deus, toquem música de Bach; em contrapartida, estou certo de que, quando estão entre si, tocam Mozart e que Deus gosta então muito especialmente de os ouvir»
K. Barth


W.A.Mozart por B. Krafft, 1819

3 Comments:

At 11:16 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Um intervalo no estudo para evocar a genialidade de Mozart faz de facto todo o sentido, sobretudo por alguém que tanto frui e vive a sua obra.
Muito bem.

 
At 11:33 da manhã, Blogger Tzipporah said...

:)acabei mesmo agora de dar os parabéns ao sr no trilogia...ehehe
bom estudo

 
At 2:32 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Gostava de conhecer a reacção de Mozart e este tipo de homenagens tão genuinamente sentidas e desprovidas de qualquer carácter bajulador, o que actualmente é uma raridade.
Enfim, esteja ele onde estiver sentir-se-á concerteza muito feliz.

 

Enviar um comentário

<< Home